Imprimir Email Criado em 31-07-2017

Criadas políticas para negócios mais favoráveis

Ministro da Economia destaca a importância da realização da Filda

O número de participantes na 33ª Feira Internacional de Luanda (FILDA) demonstra que as empresas e o sector privado recuperaram a confiança na economia nacional, disse na quarta-feira, em Luanda, o ministro da Economia.

Falando na Abertura da 33ª edição da Feira Internacional de Luanda, Abraão Gourgel,  manifestou satisfação e disse que a FILDA se realiza este ano depois de um interregno causado por dificuldades colocadas pelo sector empresarial, afectado pelo arrefecimento da economia nacional.

 “Apesar das dificuldades colocadas pela conjuntura internacional, a Feira Internacional de Luanda conta com uma participação significativa de empresas nacionais e estrangeiras, o que estimula a prosseguir na via da diversificação da economia, desenvolvendo cada vez mais esforços de vária natureza, para alcançar o desenvolvimento sustentável preconizado pelo Executivo”, declarou o ministro.

Abraão Gourgel admitiu que, num momento em que a economia angolana enfrenta a crise económica, os expositores nacionais estão a mostrar todo potencial de que o país dispõe, realçando que a feira, da qual se esperam parcerias cruciais para vitalizar o processo de diversificação económica, é realizada a um custo inferior ao até aqui consentido por organizadores e expositores, o que também demonstra a importância do certame.

Para o ministro e chefe da Casa Civil do Presidente da República, Manuel da Cruz Neto, a FILDA conseguiu conquistar espaço na vida económica e social do país, tornando-se uma “marca” reconhecida por todas as entidades comprometidas com o progresso e desenvolvimento de Angola.

Manuel da Cruz Neto sublinhou que, ao longo do tempo, a FILDA projecta a imagem do país no plano internacional e desempenha um papel importante no processo de desenvolvimento económico e social, constituindo-se um espaço público e cultural dinâmico e diversificado sob o ponto de vista do produtor e do consumidor.

“A feira tornou-se, ao longos dos anos, num espaço de exposição, potenciação de trocas comerciais e sociabilidade entre produtores e consumidores, permitindo fomentar a criação e consolidação de um ambiente favorável aos negócios, estimulando o surgimento, ampliação e a diversificação da produção”, declarou.

O responsável considerou “pertinente” o lema da 33ª FILDA “Diversificar a Economia e Potenciar a Produção Nacional visando uma Angola Auto-suficiente e Exportadora”, por afigura-se crucial para inverter o quadro económico resultante da baixa do preço do petróleo no mercado internacional e permitir que os sectores público e privado se concentrem no desenvolvimento fora do sector petrolífero.

 “

fonte: Conselho Nacional de Carregadores.