De acordo com a associação marítima BIMCO (Baltic and International Maritime Council), 2017 continuará a ser um ano de grandes esforços por parte da indústria marítima, depois de um 2016 onde o paradigma reinante pautou-se pela consolidação/concentração dos 'players' do mercado do transporte contentorizado, na luta contra o excesso de oferta. 2017 terá de ser, alerta a BIMCO, a continuação de uma assertiva actividade de demolição de navios, em busca da harmonia entre a oferta e a procura.

A Agência Nacional dos Portos de Marrocos tem 563 milhões de euros preparados para investir nos seus Portos durante os próximos cinco anos - mais interessante ainda é perceber que o país se prepara para investir já, com mais de metade desse valor a ser aplicado já neste ano de 2017.

 

No passado dia 12 de Dezembro, a transportadora marítima sul-coreana Hyundai Merchant Marine (HMM) divulgou os seus planos para o futuro, nos quais está patente o objectivo de assegurar uma quota de mercado de 5% até 2021, uma missão que implicará mais que duplicar a sua quota actual - um desígnio nada fácil de alcançar, dada a situação titubeante da companhia. A Alphaliner já veio a terreiro classificar tal objectivo como desfasado da realidade da empresa.

Alberto Bengue informou, na abertura do conselho consultivo do Porto de Luanda, que o ideal é criar e promover estratégias atinentes à contenção dos efeitos da perda de robustez da economia e das finanças da empresa. A carga contentorizada acusou uma redução de 11 por cento, enquanto a não contentorizada desceu quatro por cento. Em relação à navegação, neste terceiro trimestre do ano, atracaram no Porto de Luanda 190 navios de longo curso, contra 217 em 2015.

No passado dia 7 de Novembro, foi reportado, durante a realização da Conferência da ONU sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), que os fretes executados por via marítima aumentaram apenas 2,1% em 2015 face ao ano anterior, um dado que espelha o crescimento mais lento desde 2009. De acordo com os dados veiculados pelo UNCTAD, o comércio global está estagnado e o futuro do sector é «incerto».