O Conselho Nacional de Carregadores de Angola é membro efectivo da União dos Conselhos de Carregadores Africanos, UCCA, na sigla em português, instituição criada a 26 de Janeiro de 1977 e da qual fazem parte também, todos os Conselhos Nacionais de Carregadores ou organismos similares dos países que a seguir se menciona: Benin, Burkina-Faso, Camarões, República Centro Africana, Congo- Brazzaville e Democrático, Costa do Marfim, Gabão, Ghana, Guiné Conakry, Guiné Equatorial, Mali, Mauritánia, Níger, Nigéria, Senegal e Togo.

O Conselho Nacional de Carregadores é o órgão responsável por promover o desenvolvimento das operações de comércio e transporte marítimo e controlar a sua execução de acordo com as políticas e procedimentos estabelecidos, no sentido de estudar, propor e divulgar medidas que contribuam para estabilidade e economia dos fretes  e sobretaxas marítimas.

Com este desiderato, temos a oportunidade de colocar à disposição de todos intervenientes no tráfego marítimo  informações sobre o desenvolvimento da indústria de transporte marítimo, no contexto económico  mundial (Globalização),  a inter modalidade como  força motriz das principais tendências a nível  mundial do sector marítimo–portuário e das vantagens económicas que proporciona.

Uma delegação do Conselho Nacional de Carregadores (CNC) do Benin esteve de visita a Angola no passado mês de Junho, durante a qual manteve um encontro com a sua congénere angolana para a troca de experiência.

O encontro, decorrido no dia 15 de Junho no Palácio de Vidro, em Luanda, serviu também para apresentar a candidatura da beninense Christine Batokou para o cargo de secretária executiva a União dos Conselhos de Carregadores Africanos (UCCA).

O director-geral do CNC, Francisco Itembo, garantiu a disposição da instituição de contribuir para o desenvolvimento económico do país, provendo informações importantes, como dados estatísticos de importações. "Pensamos que há ainda muito trabalho para o sector marítimo e portuário e o CNC está para isso", assegurou.

O director-geral do Conselho Nacional de Carregadores, Agostinho Itembo, defendeu uma melhor estruturação da relação entre o CNC e as linhas marítimas e contribuições destas para que tal relacionamento se torne mais profícuo.

Agostinho Itembo, que falava em Agosto deste ano, durante uma reunião com os armadores sobre a Bolsa Nacional do Frete, advogou ainda a necessidade de as linhas marítimas inscreverem-se na BNF e fornecerem, regularmentte, ao CNC a tabela do frete aplicada. Na ocasião, o director-geral do CNC informou que o Governo angolano está preocupado com valor do frete maríttiimo para o país, por ser internacionalmente considerado o mais caro.

Pág. 44 de 44